Imagem capa - Quanto custa? por Amanda Franco

Quanto custa?

“Eu quero que seja barato”.


Tudo bem. Eu entendo isso. Mas, você entende? Você compreende que o serviço - na maioria dos casos (claro, as exceções sempre existirão) reflete o valor cobrado por ele?


Posso tentar elucidar essa questão trazendo-a para o cenário onde eu atuo, o cenário do parto e nascimento.


Vamos lá...




Consultoria em Amamentação


Você pode encontrar uma consultora de amamentação que cobre muito pouco pelo seu serviço e outra que cobre um valor mais alto. Qual dos valores será justo? Qual deles você cobraria levando em consideração que a amamentação do recém-nascido possui caráter de urgência? Não se pode marcar para a semana seguinte a amamentação de um bebê. A consultoria é para hoje! É para agora, já que não tem jeito de ser para ontem.


É preciso parar tudo, desmarcar os compromissos do dia, chamar a babá para ficar com seu filho (aliás, a babá cobra por isso) e ir até aquela puérpera aflita que precisa de você com verdadeira urgência.


Também é preciso que você fique o tempo que for necessário. Que você oriente com clareza a mãe e seu companheiro ou companheira. Que assista a pega quantas vezes forem necessárias até que tudo esteja perfeito, a mãe esteja calma e o bebê não esteja mais faminto.


Como pagar R$100 por isso? Esse valor vai cobrir as horas da babá, as duas viagens de Uber (ou gasolina) e os materiais usados. Tudo bem, de tudo isso, talvez sobre R$10 para que a consultora compre o café. Mas, será que isso é justo? O pediatra que passa a fórmula é do plano, ok. Entendo isso também. Mas, quanto custa um mês inteiro de fórmula? E dois ou três?





Fotografia de Parto e Nascimento


Vamos a outro exemplo também bastante comum.


Você entende que o nascimento do seu filho (por mais que seja o quinto deles), será único, intenso, precioso e merece ser registrado. Documentado para a vida toda. E você quer poder mostrar isso para ele mais tarde.


Dessa forma, depois de planejar o seu parto e pós parto, você sai em busca de boas indicações de profissionais. Mas, por favor entenda o que são bons profissionais especializados em fotografia de parto e nascimento.


Uma boa fotógrafa entende que para o seu filho nascer você precisa estar conectada com seu corpo, precisa estar focada, voltada para si e sem interferências. Ela precisa compreender todas as etapas do trabalho de parto e nascimento para se portar de forma adequada em cada uma delas (e para isso é preciso estudar, investir em bom treinamento e constantes capacitações a fim de se manter atualizada com as boas práticas baseadas em evidências).


Ela entende que você precisa acessar o arquipálio - a parte mais primitiva do seu cérebro, responsável pela autropreservação, pelos comportamentos repetitivos, pelas reações instintivas e comandos involuntários. Ela entende que você precisa de paz e amor para produzir ocitocina, o hormônio responsável (também) pelas contrações uterinas. Que precisará do apoio natural e íntimo do seu parceiro ou parceira para aumentar a produção do hormônio do parto, para se manter firme e forte. Mas, qual casal fica à vontade na presença de uma câmera?


Nessa hora a experiência e a intuição treinada dessa profissional fará muita diferença. Ela saberá como se portar, quando desaparecer, quando servir e quando não entrar em cena. A prioridade dela será a segurança e o bem-estar da mulher e da equipe e não o clique.


A fotógrafa também entende que a penumbra é necessária e por isso investe em equipamentos de ponta e formações adequadas para capturar as imagens sem precisar acender a luz. E claro, ela não terá um flash acoplado à câmera.


Assim como a consultora e outros profissionais inseridos nesse cenário, a fotógrafa de partos estará disponível pra você 24 horas por dia, 7 dias por semana. Inclusive no aniversário dela, da filha, de casamento... Ela atenderá seu chamado de madrugada onde quer que você ou ela estejam. Essa disponibilidade absoluta custa caro. Custa babá em cima da hora, custa carro com seguro, custa manter uma parceira fotógrafa para não te deixar na mão em caso de imprevistos, custa estar antenada todas as madrugadas e jamais se deitar sem o celular ao lado do travesseiro no último volume.


Ela também não poderá atender muitos partos por mês. Não tem como garantir sua presença em todos eles de forma justa para você. Ela precisa estar inteira, bem disposta e com os sentidos aguçados. Ela se doará por completo pra você por quantas horas forem necessárias. E o trabalho não acaba por aí. Em média, para cada hora de parto são necessárias duas horas e meia de edição.


Um profissional inexperiente ou mal treinado pode trazer consequências não positivas para o desfecho do parto (em qualquer área). E isso é (ou deveria ser!) inadmissível, não é mesmo?




Doulas e Educadoras Perinatais


As doulas... (Ah, claro que vou falar delas!) Essas fadas coloridas cheias de boa vontade que pagam o supermercado com amor... Ah, o amor nato...


Não, espera. Não é isso que uma doula faz, certo? A doula e educadora perinatal é uma profissional capaz de mudar de forma positiva e natural o curso de um trabalho de parto (quem da área nunca viu isso acontecer?).


Ela é responsável por te munir de informações verdadeiras e de boa qualidade sobre todas as possibilidades e desfechos do parto e nascimento, para que você - ciente dos prós e contras, possa tomar suas próprias decisões com relação a cada tema.


Mas, boas doulas não nascem sabendo. Elas se formam! E se informam. Estudam sem parar. Leem artigos científicos e precisam se atualizar constantemente. Estudam as melhores práticas, viajam atrás de novas técnicas e informações. E levam toda essa bagagem com elas para o seu encontro com você antes, durante e depois do parto.


No parto são as que menos descansam (depois da mulher, é claro). Também estão 100% disponíveis pra você em tempo integral.


São fadas-ninjas notívagas trabalhadas no Gatorade poligraduadas em mulher!


Claro que eu poderia estender esse pensamento a diversas outras profissões. Quem é bom no que faz e investe em treinamento e aperfeiçoamento constante para oferecer o melhor para o seu cliente, precisa cobrar um preço justo pelo seu trabalho.


Se você trabalha de forma dedicada e com disposição para o aprendizado, muito provavelmente cobra o valor adequado pelos seus serviços ou produtos e compreende com clareza essa discussão.


Portanto, pergunto eu: você ainda quer um serviço barato?


Beijo grande e até a próxima!

Amanda Franco.